22 de Novembro – Dia do músico

Hoje (22 de Novembro) é dia do músico. Como músico amador que sou, não queria deixar passar este dia sem comentar um pouco sobre o tema…

Ser músico (ainda) é tudo menos fácil nos dias actuais. Embora as ‘grandes estrelas’ estejam naturalmente bem vistas perante o público e tidas como pessoas abastadas, ainda é difícil conseguir fazer passar a correcta ideia do que é a formação de um músico.

Um tema musical (seja ele de que natureza for) de 5 minutos pode levar dois, três ou mais meses para ser considerado um trabalho efectuado. Embora por vezes a inspiração nos traga ideias que em pouco mais de duas semanas nos permitem obter um esboço da obra final pretendida, é certo que a maior parte dos temas exigem trabalho de forma a poder transmitir a plena emoção que a música exige do seu autor.

No caso da bateria, sou obviamente suspeito para falar sobre o assunto, mas não tenho a mínima dúvida de que a formação de um bom baterista é algo que exige um tremendo e árduo trabalho por parte de quem pretende aspirar à difícil tarefa de comandar os tambores. Até há poucos anos atrás, quer pelas dificuldades económicas, quer pelas dificuldades sociais envolventes, o estudo da bateria era algo apenas possível a alguns (poucos) afortunados.

Alguma democratização no meio tem vindo a ser ‘implementada’ por parte dos fabricantes de instrumentos de percussão electrónica, o que tem permitido com que cada vez mais estudantes e amadores possam ter uma bateria no próprio quarto sem que a vizinhança se veja obrigada a chamar as autoridades devido à pressão sonora provocada pelas baterias acústicas.

Mas conseguir obter um músico completo, maduro, experiente, capaz de se adaptar ao(s) projecto(s) a que se propõe desempenhar, sequer uma envolvente familiar estável, uma envolvente social aceitadora, uma envolvente de amizades motivadora, o tempo devido para o estudo e prática dos exercícios, mas sobretudo, calo, muito calo!

Raros ainda são os locais onde os mais jovens, nos seus tempos livres de escola possam reunir-se munidos de um par de guitarras, uma bateria, um baixo e algumas vozes de forma  a conseguirem trabalhar nesse aspecto do “calo” a que me refiro mais acima…

Mas ser baterista, seja amador ou profissional, ainda é das melhores coisas para se fazer na vida!

(na foto: Cleverson Silva – um dos melhores bateristas com quem já tive a oportunidade de aprender)

Anúncios
Categories: Banda desenhada, Humor, Música, Musicos com GARRA!, Pensamentos e Filosofias | Etiquetas: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: